INDEX       MAPA DISTRITOS E REGIÕES       ANAFRE      NOTÍCIAS       LEGISLAÇÃO       MATERIAL  HERÁLDICO     BRASÕES   CONTACTO

 

METEOROLOGIA

MÚSICA REGIONAL

 

Procure, neste site, a  freguesia ou o assunto que deseja

 em FreguesiasdePortugal.com

 na Internet

 

    

Regras que regem o uso da Bandeira Nacional

Decreto-Lei n.º 150/87, de 30 de Março

A legislação que se refere ao uso da Bandeira Nacional encontra-se dispersa e é incompleta, sendo datada, em alguns casos, do princípio do século.

Constitui excepção a esta situação a regulamentação, completa e actualizada, que contempla o uso da Bandeira Nacional no âmbito militar e marítimo.

Considerando a necessidade de dignificar a Bandeira Nacional como símbolo da Pátria e de avivar o seu culto entre todos os portugueses, importa estabelecer as regras gerais pelas quais se deve reger o seu uso:

Assim:

O Governo decreta, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

Artigo 1.º

A Bandeira Nacional, como símbolo da Pátria, representa a soberania da Nação e a independência, a unidade e a integridade de Portugal, devendo ser respeitada por todos os cidadãos, sob pena de sujeição à cominação prevista na lei penal.

Artigo 2.º

1 - A Bandeira Nacional será usada, em todo o território nacional, de harmonia com o previsto neste diploma, sem prejuízo do estabelecido na lei quanto ao seu uso no âmbito militar e marítimo.

2 - A Bandeira Nacional, no seu uso, deverá ser apresentada de acordo com o padrão oficial e em bom estado, de modo a ser preservada a dignidade que lhe é devida.

Artigo 3.º

1 - A Bandeira Nacional será hasteada aos domingos e feriados, bem como nos dias em que se realizem cerimónias oficiais ou outros actos ou sessões solenes de carácter público.

2 - A Bandeira Nacional poderá também ser hasteada noutros dias em que tal seja julgado justificado pelo Governo ou, nos respectivos territórios, pelos órgãos de governo próprio das regiões autónomas, bem como pelos governadores civis ou pelos órgãos executivos das autarquias locais e dirigentes de instituições privadas.

3 - Nos edifícios sede dos órgãos de soberania a Bandeira Nacional poderá ser arvorada diariamente, por direito próprio.

Artigo 4.º

1 - A Bandeira Nacional será hasteada em edifícios de carácter civil ou militar, qualificados como monumentos nacionais, e nos demais edifícios públicos ou instalações onde funcionem serviços da administração central, regional e local e da administração das regiões autónomas, bem como nas sedes dos institutos públicos e das empresas públicas.

2 - A Bandeira Nacional poderá também ser hasteada pelos institutos públicos e empresas públicas, fora dos locais da respectiva sede, bem como por instituições privadas ou pessoas singulares, desde que sejam respeitados os procedimentos legais e protocolares em vigor.

Artigo 5.º

1 - Aos domingos e feriados e nos dias em que tal seja determinado pelo Primeiro-Ministro a Bandeira Nacional será hasteada em todo o território nacional, nos termos do artigo anterior.

2 - Fora dos dias referidos no número anterior a Bandeira Nacional será hasteada nos locais de celebração dos respectivos actos.

Artigo 6.º

1 - A Bandeira Nacional deverá permanecer hasteada entre as 9 horas e o pôr do Sol.

2 - Quando a Bandeira Nacional permanecer hasteada durante a noite, deverá, sempre que possível, ser iluminada por meio de projectores.

Artigo 7.º

1 - Quando for determinada a observância de luto nacional, a Bandeira Nacional será colocada a meia haste durante o número de dias que tiver sido fixado.

2 - Sempre que a Bandeira Nacional seja colocada a meia haste, qualquer outra bandeira que com ela seja desfraldada será hasteada da mesma forma.

3 - Para ser içada a meia baste a Bandeira vai a tope antes de ser colocada a meia adriça, seguindo-se igual procedimento quando for arreada.

Artigo 8.º

1 - A Bandeira Nacional, quando desfraldada com outras bandeiras, portuguesas ou estrangeiras, ocupará sempre o lugar de honra, de acordo com as normas protocolares em vigor, devendo observar-se, designadamente:

a) Havendo dois mastros, o do lado direito de quem está voltado para o exterior será reservado à Bandeira Nacional;

b) Havendo três mastros, a Bandeira Nacional ocupará o do centro;

c) Havendo mais de três mastros:

Se colocados em edifício, a Bandeira Nacional ocupará o do centro, se forem em número ímpar, ou o primeiro à direita do ponto central em relação aos mastros, se forem em número par;

Em todos os outros casos, a Bandeira Nacional ocupará o primeiro da direita, ficando todas as restantes à sua esquerda;

d) Quando os mastros forem de alturas diferentes, a Bandeira Nacional ocupará sempre o mastro mais alto, que deverá ser colocado por forma a respeitar as regras definidas nas alíneas anteriores;

e) Nos mastros com verga, a Bandeira Nacional será hasteada no topo do mastro ou no lado direito quando o topo não estiver preparado para ser utilizado.

2 - Em instalações de organismos internacionais sediadas em território nacional ou em caso de realização de reuniões de carácter internacional, a Bandeira Nacional será colocada segundo a regra protocolar em uso para esses casos.

3 - A Bandeira Nacional, quando desfraldada com outras bandeiras, não poderá ter dimensões inferiores às destas.

Artigo 9.º

Os mastros deverão ser colocados em lugar honroso no solo, nas fachadas ou no topo dos edifícios, competindo aos responsáveis dos serviços a aprovação da forma e do local da sua fixação.

Artigo 10.º

Em actos públicos a Bandeira Nacional, quando não se apresente hasteada, poderá ser suspensa em lugar honroso e bem destacado, mas nunca usada como decoração, revestimento ou com qualquer finalidade que possa afectar o respeito que lhe é devido.

Para ser publicado no Boletim Oficial de Macau.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 29 de Janeiro de 1987.
Aníbal António Cavaco Silva - Eurico Silva Teixeira de Melo - Vasco Joaquim Rocha Vieira - Lino Dias Miguel - Joaquim Fernando Nogueira - Leonardo Eugénio Ramos Ribeiro de Almeida - Miguel José Ribeiro Cadilhe - Eurico Silva Teixeira de Melo - José Albino de Silva Peneda - Mário Ferreira Bastos Raposo - Pedro José Rodrigues Pires de Miranda - Álvaro Roque de Pinho Bissaia Barreto - Fernando Augusto dos Santos Martins - João de Deus Rogado Salvador Pinheiro - João Maria Leitão de Oliveira Martins - Maria Leonor Couceiro Pizarro Beleza de Mendonça Tavares - Joaquim Maria Fernandes Marques.

Promulgado em 11 de Março de 1987.
Publique-se.
O Presidente da República, MÁRIO SOARES.

Referendado em 19 de Março de 1987.
O Primeiro-Ministro, Aníbal António Cavaco Silva.


  Transcrito do Portal do Governo da República Portuguesa www.portugal.gov.pt


 

tendo em conta a nossa interpretação desta lei,  e alguma experiência, apresentamos abaixo, as formas  que consideramos correctas para a  colocação das bandeiras.

os exemplos abaixo são meramente a titulo  indicativo.

 

exemplo de colocação de  2 bandeiras, incluindo a portuguesa

1

2

bandeira portuguesa à direita  (ou seja à esquerda de quem as olha de  frente)


exemplo de colocação de  3 bandeiras, incluindo a portuguesa

2 1 3

bandeira portuguesa ao centro, ao seu lado direito a segunda em importância no evento


exemplo de colocação de  4 bandeiras, incluindo a portuguesa,

no caso dos dois mastros do meio serem mais elevados

3 1 2 4

bandeira portuguesa no mastro  da direita  (entre os dois do centro)  e ao seu lado esquerdo, a ocupar o outro mastro mais alto, a segunda em importância no evento. na extremidade, ao seu lado direito, a terceira mais importante no evento, e por último a quarta bandeira em importância nesse contexto

.


exemplo de colocação de  4 bandeiras, incluindo a portuguesa,

no caso de todos os mastros apresentarem a mesma altura

 

 

1 2 3 4

bandeira portuguesa no primeiro mastro  da direita, seguindo-se, por importância no evento, as demais


exemplo de colocação de  5 bandeiras, ou mais bandeiras, em numero impar.

4 2 1 3 5

 

bandeira portuguesa no  mastro  do centro, e as outras conforme a importância que tENHAm nesse evento


exemplo de colocação de  6 bandeiras, ou mais bandeiras em numero par, SE OS MASTROS DO CENTRO FOREM MAIS ELEVADOS.

5 3 1 2 4 6

 

bandeira portuguesa no mastro  da direita  (entre os dois do centro)  e ao seu lado esquerdo, a ocupar o outro mastro mais alto, a segunda em importância no evento.  ao seu lado direito, a terceira mais importante no evento, E ASSIM SUCESSIVAMENTE CONFORME A INDICAÇÃO ACIMA


exemplo de colocação de  6 OU MAIS BANDEIRAS, EM NUMERO PAR, incluindo a portuguesa,

no caso de todos os mastros apresentarem a mesma altura

 

1 2 3 4 5 6

 

bandeira portuguesa no primeiro mastro  da direita, seguindo-se, por importância no evento, as demais


 

nota final: a questão da importância de cada bandeira depende muito de critérios pessoais, tendo porém em conta, que em Portugal ou em espaços nacionais portugueses, a bandeira de Portugal é a mais importante e merece por isso o espaço de honra.

 

Pensamos que quando um evento de dá na sede de uma associação,  teremos a seguinte prioridade:

 

1º - a bandeira de Portugal

2º - a bandeira da associação.

3º - a bandeira da freguesia onde se encontra a associação.

4º - a bandeira do concelho.

5º - a bandeira da CE.

 

quando seja na sede de uma junta de freguesia,  teremos a seguinte prioridade:

 

1º - a bandeira de Portugal

2º - a bandeira da freguesia

3º - a bandeira do concelho

4º - a bandeira da CE.

 


   

 

 

 

  INDEX       MAPA DISTRITOS E REGIÕES        ANAFRE       NOTÍCIAS     LEGISLAÇÃO      MATERIAL  HERÁLDICO       BRASÕES      CONTACTO

Produzido  por  Carlos  Alberto  Mouteira  Fernandes  Desde Janeiro de 2000  -  Caminha - Portugal.   Todos  os   direitos  reservados